Menu fechado

Brasileira de 18 anos vence feira mundial de ciências e vai virar nome de asteroide

A gaúcha Juliana Davoglio, 18 anos, faturou o primeiro lugar na maior feira de ciências e engenharia para jovens cientistas pré-universitários do mundo.

Ela desenvolveu um projeto no nicho das Ciências Materiais. A invenção da estudante envolve o aproveitamento de resíduos que sobram do processo da macadâmia. Juliana utiliza a semente comestível que seria descartada para produzir um material orgânico, que posteriormente pode ser transformado em embalagens e até curativos, substituindo assim o uso de sintéticos.

Nascida em Osório (RS), cidade de 44 mil habitantes no litoral do estado, a pesquisadora iniciou seu estudo quando ingressou no curso de Administração do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.
Brasileira de 18 anos vence feira mundial de ciências: "Parece mentira"
Juliana fez história na ciência mundial e agradeceu apoio de instituições de ensino.

Com o auxílio da orientadora Flávia Twardowsky, a dupla realizou testes de verificação da sustentabilidade do produto, além de analisarem aspectos econômicos e sociais da casca da noz e o possível impacto do seu uso industrial para o meio ambiente. Constatou-se que 75% do processamento da macadâmia é resultado de sobras jogadas no lixo.

“Parece mentira. Às vezes eu me belisco para ver se é verdade. É muito difícil representar o Brasil nesta feira. É mais difícil ainda vencer. São projetos legais do mundo inteiro e eu venci em primeiro na minha categoria. Olha, ainda estou sem palavras. É muito indescritível”, disse a jovem ao portal UOL.

Brasileira de 18 anos vence feira mundial de ciências: "Parece mentira"

Juliana atribui sua vitória na Intel Isef (International Science and Engineering Fair) ao apoio recebido de diversas instituições de ensino brasileiras, como o Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que cedeu o laboratório para estudos.

A jovem concorreu na feira internacional ocorrida em Phoenix, nos EUA, com outros 1.800 participantes, todos com idade entre 15 e 19 anos. Com o primeiro lugar, Juliana faturou um prêmio de 3 mil dólares (R$ 12,5 mil) e poderá nomear um asteroide. Ela só não sabe ainda qual de seus dois sobrenomes será utilizado ainda.

Brasileira de 18 anos vence feira mundial de ciências: "Parece mentira"

 

 

“Fazer pesquisa, viajar, ser reconhecida. Tudo isso foi um mundo de descobertas. Quero estudar forma, mas vou voltar para o Brasil. Sinto que aqui é o meu lugar. Quero continuar sendo pesquisadora e trabalhar com divulgação científica. Eu sei o quanto a educação e a ciência transformaram a minha vida. Quero que outros jovens tenham a oportunidade de conhecer isso.”

Dentre os quase dois mil participantes da edição deste ano do Intel Isef, 28 eram brasileiros. Além de Juliana, outros sete prêmios foram conquistados pelo Brasil, o país mais bem-sucedido da América Latina e décimo colocado na classificação final.

Fonte: razoesparaacreditar.com

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.